Saiba como o agrônomo contribui para o crescimento do agro

Saiba como o agrônomo contribui para o crescimento do agro

Nos últimos anos, a profissão ganhou importância junto à sociedade. A presença do Engenheiro Agrônomo assessorando os produtores e empreendimentos rurais leva ao uso racional e eficiente dos recursos e melhora os resultados econômicos, sociais e ambientais.

A agricultura brasileira, seja na produção de grãos, fibras, cereais e criação de animais tem forte atuação dos engenheiros agrônomos.

Qual é a contribuição do agrônomo para o Brasil?

O celeiro do país é o maior produtor de soja, milho, algodão, também possui o maior rebanho bovino e um grande potencial de crescimento na produção da agroindústria, piscicultura, mineração e agricultura familiar. Mas para atingir esse patamar produtivo, conta com o trabalho incansável de milhares de engenheiros agrônomos.

Segundo números do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea-MT), temos 6.500 agrônomos registrados hoje, aproximadamente 30% do total de registros na instituição. É inquestionável que onde existe um engenheiro agrônomo qualificado e atuante, os resultados da produtividade do campo são ainda melhores, graças ao manejo adequado do solo, o uso correto de defensivos agrícolas, o desenvolvimento de novas tecnologias por meio de pesquisas e a orientação aos produtores sobre o melhor uso das propriedades da terra.


Além disso, com uma agricultura 4.0 predominando, este profissional vem se especializando no uso de tecnologias vinculadas à engenharia genética, à automação agrícola e à agricultura de precisão. Com sua expertise, o agrônomo colabora ainda como gestor eficiente no manejo dos processos produtivos e na condução do uso das modernas técnicas de produção.

Temos muito orgulho do agronegócio mato-grossense, que ajudará o Brasil na superação da crise ocasionada pela Covid-19. Mas estendo este orgulho aos profissionais agrônomos e a outras modalidades das engenharias que contribuem decisivamente ao sucesso do agro, como os engenheiros de pesca, agrícolas e florestais e, indiretamente, os engenheiros mecânicos (máquinas agrícolas e equipamentos), eletricistas e civis.

Além da importância no aspecto econômico da atividade agrícola para atender a demanda de consumidores mais exigentes por produtos de qualidade, ainda há a contribuição social do agrônomo na produção de alimentos. Vale lembrar que, segundo números da FAO (sigla do inglês – Food and Agriculture Organization), até 2050 será necessário aumentar em 70% a produção de alimentos para abastecer a crescente população, e isso, usando da melhor forma os recursos naturais, sócio e ambientalmente.

Importância do agrônomo na pós-pandemia

Mesmo em meio à pandemia, o estado do Mato Grosso se manteve líder nacional na produção de grãos e fibras. Os dados da safra 2019/2020 da Conab mostram ainda novos recordes que consolidam a pujança do estado que ofertou neste período quase um terço de tudo que o Brasil produziu, mais de 74,95 milhões de toneladas.

Em meio a safra e demandas exaustivas, fica mais evidente da importância do agrônomo para o Brasil e sua demandas de produção na agricultura.


O que é agro 4.0?

O que é agro 4.0?

Produzir conhecimentos e tecnologias para uso no domínio agropecuário, por meio da execução de atividades de pesquisa, visando a aumentar a produtividade para disponibilizar mais alimentos, constitui-se em um dos principais
desafios da Embrapa. 

A Embrapa tem-se utilizado de vários meios de comunicação para apoio à transferência de tecnologia, tais como dias de campo, programas de rádio e TV, divulgação de cartilhas, sistemas de produção, folders e vários outros.

Todas essas ações são complementares e têm permitido atingir eficazmente os
clientes da empresa

Como funciona a agro 4.0?

A Agricultura 4.0 chega ao mercado como uma consequência da necessidade natural de geração de negócio no campo e já mostra resultados positivos por meio do uso de tecnologias que possibilitam inúmeras atividades, além de acompanhar em tempo real tudo o que acontece em sua plantação. 

Mesmo assim, é possível encontrar produtores resistentes a esse modo de produção, muitas vezes por desconhecerem as vantagens e a simplicidade de gestão que esses novos modelos propiciam.


A agricultura é a atividade econômica mais dependente das condições climáticas. Além de influenciar o crescimento, o desenvolvimento e a produtividade das culturas, o clima afeta também a relação das plantas com insetos e microrganismos, favorecendo ou não a ocorrência de pragas e doenças. 

Com a intensificação da indústria agropecuária, têm crescido os desafios
e as preocupações relacionadas à segurança sanitária dos alimentos produzidos.
A circulação de volumes cada vez maiores desse tipo de mercadoria exige que as
medidas necessárias para garantir sua segurança sanitária sejam implementadas
de maneira rápida, eficiente e barata

Esses novos sistemas chegam para modernizar, simplificar e otimizar a vida do produtor, que com uma tecnologia inovadora pode usufruir de um mapeamento completo da área de plantio para analisar condições prejudiciais ao futuro da sua safra e gerar dados de produtividade agrícola. 

Além disso, possibilitam, ter uma visão ampla e detalhada da sua produção, controlar as safras, fazer comparativos de rendimentos, a gestão de insumos, são atividades que ficam mais acessíveis e participam mais das tomadas de decisões estratégicas nas colheitas. Tudo em tempo real, de qualquer cultura e em qualquer lugar, sem a necessidade de estar fisicamente na sua propriedade. Esse é futuro que se vislumbra e no qual a agricultura se reinventar.

Tendências globais e previsões para o planeta indicam que nos próximos 50 anos os principais desafios da humanidade serão energia, água, alimentos, ambiente e pobreza. A agricultura mundial encontra-se sob forte pressão para garantir a segurança alimentar e fornecer energia limpa de forma sustentável. 

O mundo contemporâneo e globalizado remete todos a uma busca por uma economia sustentável e justa, onde a bioeconomia ganha força e visibilidade porque a sustentabilidade entrou definitivamente como uma das prioridades da sociedade. 


Como a tecnologia permite agropecuária mais precisa e sustentável?

Como a tecnologia permite agropecuária mais precisa e sustentável?

A agropecuária tem um papel muito importante no Brasil, tanto no passado como no presente. É necessário saber que agropecuária remete a fusão da produção agrícola com a pecuária.

O uso de tecnologias de pecuária de precisão pode auxiliar no desenvolvimento de sistemas de produção sustentáveis e de uma pecuária mais competitiva. Essas ferramentas, como identificação animal automatizada, dispositivos eletrônicos de pesagem, colares com sensores, bebedouros e cochos automáticos, termografia infravermelha e estações meteorológicas automáticas, ampliam a capacidade de observação do rebanho.

Como está funcionando a tecnologia  para pecuária brasileira?

A produção agropecuária emprega aproximadamente 10% da população e responde por 8% do PIB brasileiro, vários foram os fatores que determinaram a expansão da agropecuária no país, mas os principais são o grande mercado interno, grande extensões de terras com relevo favorável e o clima.

A produção agropecuária anda lado a lado com a tecnologia, as propriedades rurais são classificadas segundo o nível tecnológico, ou seja, o grau de tecnologia empregado na propriedade rural, que determina se a propriedade e seu sistema de produção é tradicional (prática de agricultura ou pecuária vinculada na produção sem tecnologias) ou moderna (prática de agricultura, em geral, em grandes propriedades monocultoras ou pecuárias vinculadas na produção com tecnologias que caracteriza pela criação intensiva).


 A utilização da pecuária de precisão pelo produtor permite aumentar a eficiência do uso de insumos, reduzir as perdas, elevar a qualidade dos produtos agropecuários, diminuir esforços e otimizar o trabalho, refletindo em melhores condições de vida no campo. Os reflexos também atingem o meio ambiente, com mitigação de gases de efeito estufa, principalmente pela utilização eficiente dos insumos agropecuários e redução do consumo de água e energia elétrica para irrigação.

Outro benefício da aplicação da tecnologia é manter ou, ainda, atrair os mais jovens para área rural, já que o uso desses equipamentos exige conhecimento e habilidades de informática, eletrônica, mecânica, robótica, comunicação, além do conhecimento tradicional de agronomia, veterinária e zootecnia.

Tecnologia como aliada da pecuária brasileira

A tecnologia é a grande aliada do homem, na produção agrícola. No entanto, para que a tecnologia possa ser utilizada de forma adequada em beneficio do homem, cada vez mais se faz necessário o conhecimento. Somente através do conhecimento seremos capazes de utilizar de forma correta as tecnologias que são disponibilizadas a todo instante. 
Hoje já temos plantadeiras que são “auto propelidas”, ou seja, não precisam mais do trator para tracioná-las. As sementes, insumo da maior significância estão sendo comercializadas tendo como referencial de mensuração não mais “saco”, mas sim o número de sementes. 

No Brasil, ainda existem desafios em relação ao acesso à rede de comunicação e à disponibilidade de tecnologias, desde a geração de energia para manter a rede ativa até o alto custo de sensores e equipamentos. Mesmo assim, a pecuária de precisão está chegando às propriedades e estará cada vez mais presente.
Há também uma tendência de redução de custo da tecnologia com o passar do tempo. Para Bernardi, é fundamental que essas ferramentas sejam vistas como uma forma de ajudar o produtor a ser mais eficiente, e não apenas como mais um custo no sistema de produção.